A tocar

Título

Artista

No ar

No ar

Background

Cáritas de Beja faz um balanço negativo de 2022 com o aumento de pedidos de ajuda

Escrito por em Dezembro 29, 2022

Com 2022 a chegar ao fim, a Cáritas Diocesana de Beja aumentou as ajudas sociais a pessoas e famílias do distrito, numa resposta cada vez mais urgente, mas que começa a ser difícil chegar. Não só por esta razão, mas por outras que se acumulam, um dos responsáveis da instituição, Márcio Guerra não se mostrou optimista com o cenário. “Infelizmente, o balanço que fazemos não é positivo.

Por um lado, corresponde às expectativas de 2021, quando referíamos que estávamos a sentir um aumento dos pedidos de ajuda”. A realidade é dura e preocupante, como sublinhou: “A constatação a que chegamos neste final de ano, é a de que temos um maior número de atendimentos em diferentes públicos, sejam eles migrantes, portugueses, pessoas em situação de sem abrigo, famílias monoparentais, vítimas de violência doméstica, pessoas em situação de pobreza”.

Márcio Guerra advertiu que estes elementos sociais, “não são animadores, nem satisfatórios porque significa que temos uma sociedade/comunidade no nosso distrito, mas sobretudo nos concelhos com área de influência de Alqueva, onde se assiste a pedidos de ajuda em virtude deste fluxo migratório, com a pobreza presente e as dificuldades a agudizarem-se”. Nesse sentido, a Cáritas teve de dar resposta muito para além das suas capacidades, quer do ponto de vista logístico, quer dos recursos humanos, quer do financeiro”.

Aquilo a que o técnico superior chama de “estrangulamento financeiro”, é grave, porque “coloca em causa num futuro próximo alguns dos nossos serviços. Temos alertado do ponto de vista institucional e dentro do que são os canais de comunicação com o Poder Central, a necessidade de rever os protocolos para face às despesas assumidas”.

Apesar disso, elucida que “a Cáritas nunca deixou de prestar apoio social às pessoas e famílias que recorrem a nós, mas é insustentável manter esta situação por muito tempo”.
Este é um “grito de alerta” da instituição da Diocese de Beja e que clama por ajuda urgente do Governo.