A tocar

Título

Artista

No ar

No ar

Background

Entrevista com Miguel Matias: “2023 vai ser o ano da Fábrica Solar em Moura”

Escrito por em Dezembro 27, 2022

Um dos investidores do projecto da Moura Fábrica Solar, Miguel Matias, da empresa Lux Optimeyes Energy, assegurou em conversa presencial com a Planície, que o próximo ano é crucial para a infraestrutura de painéis fotovoltaicos flexíveis e de baterias de lítio.

“A maior parte dos equipamentos da linha de fabrico já estão a caminho, já estão no barco e estamos confiantes que vão chegar em Janeiro”.
Esta é a certeza dada pelo também administrador executivo, que apontou Fevereiro como o mês em que uma “equipa espanhola, a quem comprámos os equipamentos, vem fazer toda a montagem e o teste final”. Dentro destas datas, a expectativa do empresário é que “durante o 1º trimestre se façam os testes e no 2º trimestre o lançamento global” da unidade fabril.

O atraso na abertura da Moura Fábrica Solar deveu-se à pandemia e à conjuntura da guerra da Rússia com a Ucrânia, salientou, mas apesar disso garantiu que “a maior parte do investimento vai ser feito até ao final deste ano. Temos todos os contratos feitos com os fornecedores”. Este é um momento “muito difícil na logística”, com os “custos a triplicarem”, realçou Miguel Matias.
Depois de “ultrapassados vários obstáculos”, “2023 vai ser o ano da fábrica em Moura”, frisando que “no 2º trimestre temos a fábrica totalmente operacional”.

As equipas de trabalho compostas por cerca de 40 pessoas, já “estão a ser seleccionadas e temos tido grande adesão. Vamos começar por avaliar os chefes de equipa e os chefes de turno, porque vão ter formação em Janeiro. Aí haverá uma primeira fase de selecção. Depois, o resto das equipas vão ser montadas com os chefes de equipa e de turnos”.
Os números de candidaturas não param de chegar. “Já temos currículos e gente muito interessante, alguns deles que trabalharam na fábrica anterior, que vamos tentar recuperar e formar”, assegurou.

A ideia com a abertura desta unidade é contratar mão de obra qualificada. “Esta é uma fábrica automatizada, topo de gama, tanto na parte das baterias, como dos painéis solares flexíveis e mais finos e que obriga a tecnologia de ponta”. Por essa razão, o investidor quer que se contrate pessoas “mais qualificadas também em Moura”.
O investidor da Moura Fábrica Solar garantiu à Planície que a partir do 2º trimestre de 2023, a unidade será uma realidade no município.