A tocar

Título

Artista

No ar

No ar

Background

Mau tempo: Reserva de água nas barragens aumentou para 72%

Escrito por em Dezembro 15, 2022

A reserva de água nas albufeiras portuguesas aumentou para 72% da capacidade total de armazenamento em resultado da forte precipitação que caiu entre segunda-feira e quarta-feira, revelou hoje a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

“Desde o dia 12 de dezembro, e em resultado da forte precipitação verificada entre dia 12 e 14 de dezembro em Portugal, com os dados disponíveis nesta data, em 71 das 80 albufeiras monitorizadas pela APA-Agência Portuguesa do Ambiente, a reserva de água aumentou cerca de 785 hectómetros cúbicos (hm3), encontrando-se a 72% da capacidade total de armazenamento”, refere aquele organismo, em comunicado.

A APA avança que a recuperação das reservas de água ocorreu em quase todas as bacias hidrográficas a nível nacional, tendo-se registado a maior subida nas bacias do Vouga (+20%), Mondego (+14%), Tejo (+17%), Sotavento (+10%) e Guadiana (7%).

Como exemplo, aquele organismo refere que a chuva que caiu entre segunda-feira e quarta-feira permitiu que as cotas da albufeira de Maranhão, em Avis (Portalegre), e Varosa, em Lamego (Viseu) subissem mais de 13,60 metros e 8,29 metros, respetivamente.

A APA destaca também que, desde o início de dezembro, a albufeira de Alqueva recuperou cerca de 350 hm3 e Castelo de Bode, cuja água abastece a área metropolitana de Lisboa (cuja captação é, em média, de cerca de 450 mil metros cúbicos por dia), recuperou cerca de 180 hm3.

A Agência Portuguesa do Ambiente salienta igualmente que neste mês de dezembro ocorreram “vários eventos de precipitação significativos abrangendo também as regiões a Sul, permitindo assim a recuperação de algumas das albufeiras, algumas delas estratégicas, sendo ainda relevante para a quantidade de água no solo que atingiu a saturação, permitindo a infiltração para as águas subterrâneas, cuja recuperação é mais lenta”.

No entanto, a APA frisa que “ainda não existe recuperação nas bacias do Mira (Santa Clara), Sado (Monte da Rocha e Campilhas) e Barlavento algarvio (Bravura).

“Na presente data, das 71 albufeiras monitorizadas pela APA, 18 têm disponibilidades inferiores a 50% do volume total, sendo que dessas, 14 têm disponibilidades inferiores a 40%”, precisa aquele organismo.

Segundo a APA, a situação hidrológica da região do Algarve é neste momento a mais preocupante em termos de disponibilidades, em particular o Barlavento, onde se destacam Bravura e Odelouca, com níveis de recuperação muito reduzidos, em especial a Bravura que registou um armazenamento adicional de apenas 0,3 hm3 desde o início do ano hidrológico, a 01 de outubro.

A APA indica também que, nas regiões mais afetadas pela precipitação intensa, foi necessário realizar, em algumas barragens, descargas controladas “para ganhar encaixe antes de cada um dos eventos que ocorreram em novembro e que ainda estão acontecer em dezembro”.

Estão nesta situação as albufeiras do Alto Lindoso (Lima), da Caniçada (Cávado), da Aguieira e de Fronhas (Mondego), de Castelo do Bode (Zêzere), de Póvoa e Meadas na Ribeira de Nisa (Tejo) e Maranhão na ribeira de Sor (Tejo).

 

“Com estas medidas de gestão tem sido possível minimizar os efeitos a jusante, permitindo encaixar parte do volume de água afluente. Estas operações são possíveis nos troços regularizados, nas restantes áreas as ações de prevenção em termos de ocupação do território são essenciais para minimizar o efeito das inundações”, de acordo com a APA.

Relativamente às albufeiras com uma reserva hídrica estratégica para a produção de energia, a APA avança que das 15 estruturas abrangidas, apenas o Alto Rabagão, no concelho de Montalegre, não atingiu ainda a cota objetivo definida.

A APA salienta “a rápida recuperação das albufeiras no Lima e na cascata do Cávado, situadas na região do Minho, tendo inclusive sido necessário em meados de novembro rebaixar as cotas de algumas albufeiras para aumentar a capacidade de encaixe”.

Fonte: Lusa