A tocar

Título

Artista

No ar

Discos Pedidos

10:15 11:59

No ar

Discos Pedidos

10:15 11:59

Background

Escolas de Moura sem casos graves de bullying

Escrito por em Outubro 20, 2022

Assinala-se hoje, 20 de outubro, o Dia Mundial de Combate ao Bullying, uma data que é um alerta para esta problemática de violência que se traduz na forma de magoar alguém física ou psicologicamente, com agressões repetidas.

As ofensas, muitas vezes desenvolvidas em contexto escolar, podem ser desencadeadas por diferenças raciais, de religião, de sexo, de orientação sexual, de aspecto ou de incapacidade e podem, a curto e a longo prazo, ter sérias consequências para quem agride e para quem sofre agressões.

O Agrupamento de Escolas de Moura está atento a estes comportamentos e trabalha em parceria estreita com o Gabinete de Apoio à Família e ao Aluno (GAAF), não existindo situações graves de bullying nas escolas da cidade.

No entanto, o trabalho de prevenção a possíveis situações, começa logo a ser feito no 1º ciclo, como adiantou o responsável do agrupamento, Rui Oliveira. “Neste momento o GAAF está a trabalhar (com os alunos), uma obra que se chama “Orelhas de Borboleta” e visa sensibilizar os alunos para o facto de aceitarem as suas diferenças e as dos outros, de modo a viverem em harmonia”.

No 2º ciclo, as turmas do 5º ano de Moura, também falam sobre o tema. “Têm duas sessões por turma, na disciplina de Cidadania, em colaboração com o GAAF. A ideia é fazer com que os alunos criem as “brigadas anti-bullying” e que sejam os vigilantes no recreio. As actividades são replicadas para as restantes turmas do 6º e 7º ano”.

Por outro lado, as acções de sensibilização são feitas ao longo do ano pela Escola Segura, onde “alerta os alunos mais velhos (3º ciclo), sobre o bullying e as redes sociais e Internet”.

Rui Oliveira assegurou ainda que no Agrupamento de Escolas de Moura “não existem casos graves de bullying. Existe uma situação ou outra que já foi detectada e conversada com os pais de alunos que “chateiam” outros mais regularmente. Estamos a falar de duas ou três situações no 7º ano que já foram identificadas e faladas com os respectivos Encarregados de Educação e pensamos que já estão terminadas”.

Como nota importante e segundo dados revelados pela UNICEF, cerca de 150 milhões de crianças em todo o mundo, já sofreram algum tipo de violência da parte de colegas. Para a prevenir, a Associação No Bully Portugal (https://nobully.pt/), lançou uma campanha no início do ano escolar, para ajudar adultos e crianças nesta temática, e dotá-los com conceitos e ferramentas relacionados com a empatia e a bondade. Chamam a atenção para que a escola seja um lugar seguro, onde as crianças possam crescer felizes.