Faixa Atual

Título

Artista

Atual

Serpa Terra Forte

09:00 09:59

Atual

Serpa Terra Forte

09:00 09:59

Background

Câmara de Moura recupera mais de 83 mil euros pagos “indevidamente” pelo anterior executivo CDU

Escrito por em Outubro 7, 2022

O actual executivo da autarquia de Moura, do PS, teve conhecimento no passado dia 04 de Outubro, da recuperação de “verbas pagas indevidamente (durante os anos de 2010 e 2012- mandato da CDU) à empresa Maurício LTO”, no valor de mais de 83 mil euros, dando a conhecer esta informação na última reunião de Câmara.

Na altura, a empresa de construção, realizava empreitadas de pavimentações e remodelações de redes de água e de esgotos no município.

Em nota de imprensa posteriormente enviada à Planície, o assunto foi reforçado, referindo a quantia de 83.749,23€, valor esse que foi pago em duplicado pelo antigo executivo da CDU, à empresa de construção e que foi declarada insolvente.

Na mesma informação, o executivo socialista, sublinhou que “em articulação entre os serviços do Município, Advogado da Câmara Municipal de Moura e Administradores de Insolvência, recuperou as verbas pagas indevidamente”.

Contactado pela Planície, o presidente da autarquia, Álvaro Azedo, esclareceu que “estamos a falar de verbas que foram pagas indevidamente durante os anos 2010 e 2012, umas quantias pagas em duplicado a uma empresa que, entretanto, faliu, a empresa Maurício LTO”.

O edil mourense assumiu que o município “nunca se posicionou como credor, como instituição que tinha de recuperar esses montantes, que são de todos nós e que era importante recuperar”.

Dirigindo-se ao antigo presidente camarário, Santiago Macias, o actual autarca, referiu que “há até uma célebre citação do antigo presidente da Câmara, em 29 de Abril de 2016, na Assembleia Municipal, em que ele diz concretamente que «intentar qualquer acção contra a empresa seria virtualmente inútil, porque a empresa tinha seiscentos credores e a prioridade sobre os credores tinham-na os trabalhadores da empresa»”.

E sublinhou: “Estamos a falar de muito dinheiro. Valeu a pena devolver aos cofres do município, aquilo que é pertença do município”, concluiu na declaração que deu à nossa redacção.

A Planície tentou, entretanto, obter uma reacção da parte de Santiago Macias, que disse não querer comentar o assunto em questão.