A tocar

Title

Artist

No ar

No ar

Background

Santa Casa de Serpa esclarece à Planície o atraso nos salários

Escrito por em Maio 2, 2022

A Direcção Regional do Alentejo do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, volta a denunciar o assunto dos vencimentos em atraso na Santa Casa da Misericórdia de Serpa (SCMS) e no Hospital de Serpa, situação que segundo dizem em comunicado, acontece “desde que a gestão do Hospital passou para a SCMS.

A Planície contactou o enfermeiro Celso Silva do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), em que referiu que “o vencimento aos trabalhadores, não só do Hospital, mas do conjunto da Santa casa”, deveria ser feito “no final de cada mês e o que acontece de vez em quando, é que o vencimento não é pago na data que devia ser e é pago com atraso”.

Esta situação, diz Celso Silva, é “insustentável, porque os trabalhadores têm os seus compromissos, como cada um de nós. Já aconteceu em Fevereiro e em Abril”.

O SEP volta a reafirmar que o “Hospital de Serpa deve voltar à gestão pública integrada na ULSBA”.

No que diz respeito à tomada de posição da Santa Casa da Misericórdia de Serpa sobre o assunto, a Planície falou com o Provedor António Sargento. Nesse sentido, o mesmo assegurou que “na Santa Casa da Misericórdia de Serpa, temos tentado sempre com muito esforço honrar o compromisso de pagamento até ao dia 30 do actual mês. É um direito dos colaboradores e um dever da Santa Casa”.

Assim, “no presente mês, o vencimento de Abril será processado dia 2 de Maio (hoje) e disponível à ordem de todos os trabalhadores dia 3 de Maio (amanhã), porque há um atraso no pagamento da Administração Regional de Saúde (ARS) das unidades, às quais a Misericórdia presta serviço e de um serviço que foi prestado em Fevereiro”.

António Sargento afirmou que a Santa Casa da Misericórdia de Serpa, “como prestadores de serviço com outros parceiros, seja ARS, seja a Segurança Social, seja quem for”, só consegue “honrar atempadamente os compromissos, se do lado do Estado houver o pagamento no devido mês e no devido tempo”.

Se por um lado, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, reclama os atrasos nos vencimentos na Santa Casa da Misericórdia e no Hospital de Serpa, por outro, o provedor António Sargento defende-se com os atrasos do Estado para assegurar os compromissos.