A tocar

Title

Artist

No ar

Caprichos da Noite

00:00 05:59

No ar

Caprichos da Noite

00:00 05:59

Background

Vendas de Borrego aumentam na Páscoa e os custos de produção também

Escrito por em Abril 14, 2022

A procura do borrego no Alentejo, seguindo a tradição gastronómica desta altura do ano, aumentou as vendas na região face ao que aconteceu em 2021, sobretudo devido à exportação, mas por outro lado, os produtores queixam-se do aumento de custos de produção motivado pela guerra e pela seca, segundo informação da Agência Lusa. 

O presidente da Associação dos Jovens Agricultores do Sul (AJASUL), Diogo Vasconcelos, de Évora, referiu que o “borrego está com uma procura interessante. Estamos a exportar muitos machos”, mas que também existe uma “procura maior das fêmeas no mercado interno”, de acordo com a Lusa.

O responsável assegurou à agência de informação que os borregos machos, são comprados “por Israel e por toda a bacia do Mediterrâneo” e tem sido “constante nos últimos meses”, com o preço a rondar “os 3,50 euros” por quilo.

Por outro lado, as vendas no distrito de Beja também têm estado a “aumentar muito”, face ao ano passado, disse à Lusa, o presidente do Conselho de Administração do Agrupamento de Produtores Pecuários Carnes do Campo Branco, com sede em Castro Verde. “Já devemos ir entre os 12.000 e os 15.000 borregos vendidos”, revelou, assegurando que já não é só a Páscoa a “agitar” o mercado de ovinos: “Agora, é sempre época alta” para a comercialização, “porque a maior parte vai para fora”.

No Campo Branco, que abrange os concelhos alentejanos de Castro Verde e Almodôvar e parte dos de Aljustrel, Mértola e Ourique, grande parte da produção também segue para Israel.

Apesar das vendas, a subida dos factores de produção chega do distrito de Portalegre. A coordenadora do Agrupamento de Produtores Pecuários do Norte Alentejano – Natur-al-Carnes, Maria Vacas de Carvalho, afirmou que a guerra na Ucrânia fez ‘disparar’ os preços dos transportes, o que influencia o valor da venda de borregos na Páscoa.

Fonte: Lusa