A tocar

Title

Artist

No ar

Caprichos da Noite

00:00 05:59

No ar

Caprichos da Noite

00:00 05:59

Background

Moura associa-se à campanha “Um capacete de Bombeiros para a Ucrânia”

Escrito por em Março 7, 2022

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) avançou com a campanha “um capacete de bombeiros para a Ucrânia”, e lançou um repto às Associações de Bombeiros de todo o País.

O presidente da Federação dos Bombeiros do distrito de Beja, disse à Planície que todos, aceitaram este desafio, e vão enviar para a Ucrânia principalmente equipamento de protecção individual, nomeadamente capacetes, fatos e possivelmente caixas de primeiros socorros.

O 2º Comandante dos Bombeiros Voluntários de Moura, Paulo Rosado, disse à Planície que “vamos prestar apoio aos nossos colegas. Foi lançado um desafio a nível nacional pela Liga dos Bombeiros Portugueses, que aceitámos”.

E adianta que “nós vamos entrar nesta onda de solidariedade, dentro das nossas possibilidades e enviar 2 capacetes, uma mala de avaliação pré hospitalar e controle de hemorragias e também casacos de abrigo”.

Paulo Rosado referiu ainda que o equipamento, vai ser entregue “ao nosso colega, representante distrital da LBP, que por sua vez o vai fazer chegar à sede nacional e vai direccionado para a Ucrânia”.

Segundo informação da Liga, seguem hoje para a fronteira polaco-ucraniana, oito ambulâncias e três camiões com material médico e de segurança doado por corporações de todo o país para apoio aos seus colegas em guerra.

A iniciativa “Um capacete para a Ucrânia “conta também com o apoio de empresas privadas, que para o efeito emprestaram à Liga um camião porta-carros e as três galeras que serão acopladas aos semirreboques de diferentes corporações para transportarem o material de menor porte.

Tanto no caso dos veículos como dos outros bens, o transporte vai ser assegurado por “bombeiros que se voluntariaram” para assegurar as funções de condutores na viagem e para ajudar nas operações de entrega.

A equipa envolvida nesta operação deverá contar com 10 operacionais, sendo que alguns permanecerão na fronteira polaco-ucraniana “uns 15 dias, para montarem o centro nevrálgico que vai garantir a distribuição correcta do material doado”.