A tocar

Title

Artist

No ar

Caprichos da Noite

00:00 05:59

No ar

Caprichos da Noite

00:00 05:59

Background

Prémio “Produtor Relevação do Ano” para herdade no concelho de Vidigueira

Escrito por em Fevereiro 15, 2022

A Herdade Aldeia de Cima, situada na serra do Mendro, Vidigueira, foi distinguida com o prémio “Produtor Revelação do Ano” na gala “Os Melhores do Ano” da Revista dos Vinhos, que se realizou quinta-feira à noite, através de uma emissão especial transmitida online, nas redes sociais e no canal de YouTube.

A Herdade Aldeia de Cima nasceu de um sonho antigo, do casal Luísa Amorim e Francisco Rêgo, e começou a dar os primeiros passos em 2017.

“Estamos muito contentes com esta distinção, e a equipa vai ficar muito orgulhosa e feliz”, começou por dizer Luísa Amorim, ao receber o prémio. “Começámos este projecto em 2017, num Alentejo que tentamos que seja um Alentejo diferente. Com um trabalho baseado na cultura e na diversidade alentejanas, escolhemos o nosso próprio caminho. Acredito que este é um projecto muito interessante, pois tivemos a possibilidade de desenhar num papel em branco, pensar que castas poderíamos utilizar, que vinhos poderíamos fazer, trabalhando a inovação, mas sempre tendo como base a tradição alentejana que é tão diferente de todas as outras regiões demarcadas.”

Quanto à adega da Herdade Aldeia de Cima, que a própria Revista de Vinhos qualifica como “uma das mais notáveis que podemos ver actualmente em Portugal”, está marcada pelo encontro entre o passado e o futuro, proporcionando uma enologia de intervenção mínima, onde se pretende evidenciar a heterogeneidade e o diferente carácter das micro parcelas, solos e castas. Aqui definiu-se que a fermentação dos vinhos em balseiros de carvalho de 3000 litros, em cubas de cimento Nico Velo seria essencial para projectar uma adega com capacidade para 100.000 garrafas. Procurou-se a ancestralidade e a tradição na sala de estágio, encontrada nas pequenas tinajas de terracota, em que não existe uma peça igual à outra, nas ânforas produzidas com pó cerâmico sobre uma estrutura de fibras naturais, o chamado cocciopesto, e em foudres ovais de Taransaud. Desde o início ficou claro que as barricas tinham de ser de 500 litros, com um efeito de volume médio a respeitar a origem e as características das uvas da Vidigueira.