A tocar

Title

Artist

No ar

No ar

Background

Oito escolas do distrito de Beja já aderiram ao Projecto “Heróis da Fruta”

Escrito por em Outubro 7, 2021

No mês em que se assinala o Dia Mundial da Alimentação (16 de Outubro), oito escolas do distrito de Beja já aderiram este ano lectivo ao projecto “Heróis da Fruta”, promovido desde 2011 pela Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI), num total de mais de 1.300 escolas inscritas em todo o país.

Das 502.122 crianças que participaram nas edições anteriores, mais de 50% delas alcançaram a ingestão das porções diárias recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) relativamente ao consumo de frutas e vegetais em apenas dez semanas.

Com o sucesso dos números alcançados, o projecto regressa este ano às escolas para continuar a combater a má nutrição e prevenir doenças crónicas, como a obesidade, a diabetes ou o cancro, através de uma alimentação mais saudável.

Mário Silva, presidente da APCOI (Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil) e coordenador nacional do projecto “Heróis da Fruta”, afirmou à Planície que a iniciativa que comemora 10 anos este mês, “dirige-se às escolas do 1º Ciclo e Jardins de Infância e é um projecto de combate à obesidade infantil através da educação para a saúde e da literacia em alimentação saudável”.

Para implementar o método “Heróis da Fruta”, são necessários apenas 5 minutos diários durante pelo menos 25 dias úteis (5 semanas lectivas consecutivas). Após a inscrição, os responsáveis receberão por email o «Guia Heróis da Fruta» com orientações passo-a-passo para implementar o projeto no ano letivo 2021/2022. As inscrições são gratuitas e estão abertas em www.heroisdafruta.com até 16 de Outubro.

Para Mário Silva, “a aposta na prevenção da obesidade infantil em Portugal tem dado bons resultados. Em 2019, a OMS apontou Portugal como uma referência a seguir por outros países por ter conseguido diminuir em quase 10% a percentagem de crianças com excesso de peso nos últimos dez anos”. No entanto, o presidente da associação destacou que “no mesmo estudo, que comparou a prevalência desta doença em 21 países europeus, Portugal ainda ocupava o 5º lugar do ranking. Até 2025, queremos chegar a todas as escolas do país com o projecto”.