A tocar

Title

Artist

No ar

Mar Azul

22:00 23:59

No ar

Mar Azul

22:00 23:59

Background

Aprovado por unanimidade a valorização do barranquenho

Escrito por em Setembro 19, 2021

Na Assembleia da República, foram aprovados por unanimidade dois projectos de Lei, apresentados pelo PS e PCP, sobre a valorização do barranquenho, enquanto instrumento de comunicação e de identidade.

Segundo declarações à Planície, do deputado do PCP, eleito por Beja, João Dias, “o PCP não poderia deixar de apresentar um projecto de Lei dessa natureza” Acrescentando que “já em 2008 a autarquia aprovou a classificação do Barranquenho como Património Cultural Imaterial Municipal.  Depois em 2017, ainda no mandato da CDU, mandou, através de um protocolo com a Universidade de Évora, estudar, aprofundar e desenvolver o barranquenho, para que o mesmo possa vir a ser uma língua oficial e ensinada nas escolas”.

João Dias adiantou ainda que “trata-se de um projecto de Lei distinto, que se diferencia por introduzir a sua identidade cultural! Os seus hábitos, os seus costumes, a sua tradição, a sua gastronomia, a sua memória e a sua língua”.

O Partido Socialista também apresentou um projecto de Lei para “Protecção e valorização do Barranquenho”. O deputado do PS, eleito por Beja, Pedro Carmo, primeiro subscritor do documento, advoga a necessidade de espaço para a diversidade dentro da homogeneidade linguística do país, defendendo o “património linguístico enquanto traço identitário do património imaterial das populações“.

O deputado referiu à Planície que “em primeiro lugar, e como resulta da abordagem adoptada pela UNESCO na avaliação da matéria, qualquer língua falada por menos de 5000 pessoas tende a considerar-se ameaçada, pelo que a evolução dos actuais números de falantes do Barranquenho é um primeiro motivo de preocupação. A esta realidade acresce o facto de o envelhecimento dos falantes e o desaparecimento da geração mais velha poderem traduzir-se na perda irreparável deste património linguístico caso se verifique uma ausência da adopção de medidas”.

Os dois diplomas, que foram discutidos em sessão plenária, baixam agora à 12.ª comissão.