A tocar

Title

Artist

No ar

No ar

Background

Autárquicas 2021 – O CHEGA com candidaturas inviabilizadas em Beja

Escrito por em Agosto 31, 2021

Segundo nota de imprensa da distrital de Beja do partido CHEGA, as listas do partido à Assembleia Municipal de Beja e às Uniões de Freguesias da cidade, foram inviabilizadas, por alegadamente não cumprirem a lei da paridade.

Esta força política, depois de vários recursos, inclusive para o Tribunal Constitucional, diz que “Respeitamos a decisão, mas não concordamos”.

E critica esta decisão, dizendo que é “o reflexo de um país à deriva. Dentro de alguns tribunais e alguns funcionários, funciona o partidarismo, a má vontade sobre quem não é da sua cor, porque às questões levantadas, a resposta era sempre não sei”.

Pedro Pinto, candidato do partido CHEGA à Câmara Municipal de Beja, em declarações à Planície reagiu, dizendo que “é uma decisão que acaba por não nos surpreender. Nós sabemos que o sistema está montado desta maneira, e havia desde o início uma grande tendência para que as listas do CHEGA não fossem aprovadas”.

Salientando ainda que “Respeitamos a decisão do tribunal, embora não concordamos com ela. Temos, pela logica, em 18 membros que eram precisos, 7 mulheres em cada lista, e a lei prevê 7,2. Mas diz também que tem de passar para o número mais aproximado, esse mesmo seria 7″.

“As respostas dadas pelo tribunal foram sempre no sentido que percentualmente não cumpríamos os 40%, mas depois quando entregamos uma nova lista, já com 8 mulheres, foi recusada. Primeiro diziam que tinham de ser ouvidos todos partidos, depois já era um atraso inconstitucional”. Referiu Pedro Pinto.

O CHEGA no comunicado diz ainda que “Este é um país que funciona atabalhoado, que a lei e as listas em tribunais a norte e de outros partidos são aceites e a sul complicam a vida e acabam por rejeitar”. “Não pode haver duas leis nem dois critérios”. Conclui.

No final realça que o partido vai lutar para vencer, nas autárquicas, a Câmara de Beja. Referindo que “Perdemos uma batalha, mas não perdemos a guerra”.