A tocar

Title

Artist

No ar

No ar

Background

«Alerta!! Pelos Burros»

Escrito por em Junho 10, 2021

Tenho um carinho especial por burros. Nunca tive nenhum, mas já estive próxima de alguns. Revelam-se animais dóceis e mais astutos do que a fama fez prever. Cruzei-me há dias com este livro «Alerta!! Pelos burros» e achei que valia a pena perceber melhor do que se trata.

A zebra, animal da mesma família dos equídeos, nativos de África, deve o seu nome a um burro selvagem que habitou, até a Idade Média, o território que é hoje Portugal. Esta é uma das curiosidades que o ex-jornalista Paulo Caetano partilha no livro «Alerta!! Pelos burros».

Existia um burro selvagem designado por o Equus hydruntinus. Chamavam-lhe zebro porque tinham zebrinas no pelo. Mesmo depois da sua extinção, a sua memória permaneceu através dos nomes de lugares como Vale do Zebro, Zimbreira, Zebreira. O autor apurou que os equídeos africanos, atualmente conhecidos como zebras, devem o nome a missionários portugueses que, durante uma expedição ao Cabo da Boa Esperança, no extremo meridional de África, avistaram grandes manadas de cavalgaduras riscadas. A semelhança com o zebro era tal que decidiram chamar-lhes zebras. Paulo conta também que descobriu a existência de veterinários/investigadores que se dedicam e fazem teses de doutoramento à volta da conservação do burro.

Há um capítulo que fala de um dentista de burros e de um médico que cuida do sistema reprodutor dos burros. O trabalho como jornalista conduziu muitas vezes Paulo às aldeias do interior do país onde diz haver uma relação de «equilíbrio entre o mundo rural e natural». O título, editado pela Bizâncio, revela desde logo a premência de salvaguardar o animal. Paulo relata o uso do burro em tempos pretéritos e os motivos que conduziram quase à sua extinção. A obra traz também uma perspetiva otimista porque o autor revela as iniciativas existentes no país e que têm por base este animal de olhar meigo e porte afável.

Um pouco por todo o país ainda se utiliza o burro, por exemplo em Mafra e no Algarve na asinoterapia [uma prática equestre que utiliza o burro como instrumento terapêutico], em passeios de burro na zona de Sintra, também em Mafra e Litoral Alentejano. Utilização do leite de burra para fins cosméticos. E, claro, como animal de companhia, sobretudo em Trás-os-Montes. As histórias do livro resultam das vivências de Paulo nas aldeias, das conversas com as gentes da terra, mas também com cientistas e investigadores.

 

Por: Sara Pelicano